Inhame e Cará são a mesma coisa?

Muito comumente utilizado na culinária brasileira, em especial no Norte e Nordeste, o inhame pode ter inúmeros nomes populares e também ser confundido com o cará. Antes de tudo, é necessário diferenciar as várias formas do tubérculo. O inhame (Dioscorea spp.) pertence à família Dioscoreácea, com nove gêneros e cerca de 850 espécies, sendo o cará uma delas. O cará é grande e sem pelo, o inhame é redondo e peludo, eles são primos.

Cuidado! Os dois são fonte de carboidrato, e seu excesso torna-se extremamente calórico! O inhame é muito conhecido pelo seu alto poder de curar anemia, devido sua alta concentração de ferro, o que ajuda aos vegetarianos, já que ficam com a saúde comprometida devido a falta desse mineral na dieta pela exclusão de carnes O ideal é consumir o inhame ou o cará em sopas, ou ate mesmo em saladas ou em carnes de panela com molho. Parece que os dois legumes estão entrando na moda – alguns chefs de renome, como o Troisgros estão incluindo pratos com eles no cardápio. Mas durante muito tempo os dois foram considerados “pouco sofisticados”. Na verdade, esses dois alimentos são muito conhecidos no Norte e Nordeste do Brasil, por isso que achamos que eram poucos sofisticados, porém são ricos em nutrientes, por isso que está passando por essa mudança, muitas pessoas de outras regiões nem conheciam.

Panqueca de Aveia com Recheio de Ricota e Maionese de Inhame

• Massa da Panqueca

• 1 xícara de aveia

• 2 colheres de sopa de farinha de trigo

• 1 ovo

• Leite mais ou menos uma xícara

• 2 colheres de queijo ralado

• 1 colher de margarina

• Sal a gosto

Recheio

• Maionese de Inhame

• 300g de inhame cozido

• 1 xícara chá de azeite

• 1 xícara chá de água

• 1 limão espremido

• 1 dente de alho amassado

• 1 cebola picada

• 1 colher café de açúcar

• salsa e cebolinha

• sal e pimenta do reino à gosto

Modo de preparo

Panqueca

Bater todos os ingredientes no liquidificador e fazer as panquecas.

Recheio

Bater os ingredientes da Maionese de Inhame no liquidificador e misture à ricota amassada e tomate bem picadinho e recheie as panquecas.

Receita de Rocambole de Frango e Inhame

• . 500 g de inhame sem casca cozido no vapor e espremido

• . 300 g de peito de frango moído

• . 1 cebola bem picada

• . 1 xícara (chá) de farinha de trigo

• . Sal, pimenta e salsa picada a gosto

• . 150 g de mussarela fatiada

Num recipiente, misture o inhame, o frango, a cebola, a farinha, o sal, a pimenta e a salsa. Cubra e leve à geladeira por 30 minutos. Aqueça o forno a 220 °C. Ponha a massa sobre filme plástico e com as mãos molde um retângulo. Distribua as fatias de mussarela por cima. Com filme plástico, enrole como um rocambole. Embrulhe-o no papel-manteiga bem untado com manteiga e transfira para uma assadeira. Leve ao forno por 40 minutos ou até dourar.

Este post tem 22 comentários

  1. maria ivanira

    adorei as receitas,meu pai sempre cultivou inhame mas,só consumíamos refogado,igual chuchu.

  2. Filippo Valério

    Legal, sabia q eram parentes! Porém mta gente me perguntava ql era ql pq mtos trocam as identidade entre cara e inhame. Queria ressaltar TB que é facilmente encontrado aqui pela região do vale do Paraíba por se tratar de um legume comum entre os mais velhos nas cidades interioranas de SP, comidinha de roça. Uso muito na cozinha TB!! Obrigado.

  3. Prof. Petrônio

    Existe um erro de identificação. O inhame é liso, e o peludo é o cará. Como todos os dias. Tanto um como o outro. Ótimo para o sistema imunológico. Uma tribo indigena mudou a base da alimentação que era inhame, e a maioria adoeceu e alguns morreram de malária.

    1. Redação Nação Verde

      Olá Petronio, boa tarde!!!

      Obrigada por sua observação.
      O inhame e o cará são realmente tubérculos com aparência muito semelhantes, ricas em amido e vitaminas do grupo B, que otimizam seu potencial energético de fácil digestão. Porém ha diferença quanto a presença de fitoquímicos e propriedades terapêuticas e culinárias.

      As raízes, segundo medicina tradicional chinesa, são alimentos que atuam equilibrando centros energéticos de nossos órgãos mais profundos como o baço, rins e seus tecidos e glândulas relacionados como tireoide, medula, glândula adrenais e outros.

      Att. Débora Werneck – Nutricionista Nação Verde.

  4. Allyne

    Boa noite.
    Se inhame e típico da culinária nordestina, então acredito q eles saibam diferenciar os dois. Meus pais são do nordeste e garantem que: o que os sulistas conhecem como Inhame(pequeno e c/pelo) é na verdade o cará, pois o inhame é maior e mais liso e mais gosmento.
    Minha mãe acredita que pelo fato das mulheres nordestinas consumirem muito inhame elas são bem férteis, poucas vezes apresentam problemas na gestação e seus bebês raramente apresentam alguma anomalia.

  5. Allyne

    Outra duvida é em relação ao tempo e temperatura do cozimento, pois pode prejudicar o valor nutritivo do inhame, não mesmo?

  6. Rafaela

    Excelente esclarecimento. No entanto afirmar que a saúde dos vegetarianos é comprometida por conta da sua dieta é desatualizado e errado. Ja existem vários pareceres científicos, inclusive da oms que concluem que a dieta vegetariana é saudavel em qualquer fase da vida. Além disso, o ferro é facilmente encontrado nos alimentos de origem vegetal, como os feijões, por exemplo.

  7. Elisangela Gonçalves

    Prof. Petrônio afirma ter erro de identificação e diz ter acesso a ambos. Afinal, inhame é liso ou peludo arredondado? Tem efeito medicinal muito importante como apontada acima por Débora wernech ?

  8. Samanta Ventura

    Acredito que as especificações informadas pela Nação Verde, São as corretas, conforme artigo retirado da revista Globo Rural: ‘O cará, o inhame e outras raízes nunca foram bem identificados. A confusão é antiga e começou com Pero Vaz de Caminha, na carta enviada ao rei de Portugal a respeito do descobrimento do Brasil. Ele errou ao registrar o que os índios comiam. Trocou a mandioca, principal alimento dos tupiniquins, pelo inhame. “Muito inhame e outras sementes que na terra há e eles comem”, escreveu. Porém, o equívoco maior é entre esse rizoma e o cará, que é um tubérculo. Em certos lugares os nomes são até trocados. No Nordeste, por exemplo, o cará é chamado de inhame. Em outras regiões, o cará é chamado de inhame-cará. Os dois têm muita coisa em comum, como o valor nutritivo, a origem tropical, o gosto por clima quente e úmido, com bom índice de chuvas. Porém, existem diferenças apontadas pela Embrapa Hortaliças. O inhame é da família das aráceas e seu rizoma tem forma arredondada, é peludo e de ponta afilada. Apresenta alto teor de açúcar. A planta tem aparência de uma folhagem de jardim e as folhas largas em forma de coração. Já o cará é da família das dioscoreáceas. O tubérculo é comprido, como a batata-doce, e tem pêlos ralos. O teor de açúcar é menor que o do inhame. A planta solta folhas pequenas e parecidas com as da batata-doce.’
    Fonte: Revista Globo Rural.

  9. Roselene de sá.

    Obg pela dica. Agora não me confundo mais.aprendi que o cara é o peludinho e o inhame é liso.

  10. Mon

    Nenhum dos tuberculos da foto tem pelos, ambos são lisos.

  11. Márcio de Carvalho

    Boa noite. Temos um inhame que é nativo de áreas úmidas. Ele é maior que o inhame comum, comercializado em supermercados, e de formato mais redondo. Como faço para saber a variedade desse inhame ? Gostaria tb de fazer uma análise química para determinar as características nutricionais desse tubérculo.

  12. Tatiana Bandeira de Melo

    Adorei as explicações, e diferenças entre o inhame e o cará. Aqui no Nordeste, chamamos normalmente de inhame ao tubérculo. Soube noutro site, que o inhame é muito nutritivo, e de baixo teor calórico, sendo bom consumí-lo diariamente, principalmente por nós mulheres, pois ajuda na “reposição” hormonal.

    1. Marketing Nação Verde

      Oii Tatiana! Tudo bem ?
      Realmente é muito nutritivo 🙂

  13. João Claudio

    Reveladora é a observação de que “esses dois alimentos são muito conhecidos no Norte e Nordeste do Brasil, por isso que achamos que eram poucos sofisticados”. Fossem utilizados na culinária francesa, ainda que de pouco valor nutricional, e seriam sofisticados, mas sendo típicos do norte e do nordeste, recebem essa classificação. Poucos sofisticados, ainda que de grande valor nutricional. A curiosidade que fica agora é: se a autora diz que “achamos que eram pouco sofisticados” é porque agora não acham mais. E por que não acham mais? Por que foram “descorbertos” por pessoas de outras regiões mais “sofisticadas”?

  14. Magna

    Parabéns por divulgar alimentos saudáveis. Gostaria apenas de fazer uma observação sobre o que foi escrito acerca dos alimentos citados.
    “Mas durante muito tempo os dois foram considerados “pouco sofisticados”. Na verdade, esses dois alimentos são muito conhecidos no Norte e Nordeste do Brasil, por isso que achamos que eram poucos sofisticados”…
    Estranha essa conclusão, por que se acharia que o que é mais conhecido no Norte e Nordeste do Brasil seria “pouco sofisticado”?

  15. Angel

    “Na verdade, esses dois alimentos são muito conhecidos no Norte e Nordeste do Brasil, por isso que achamos que eram poucos sofisticados, porém são ricos em nutrientes, por isso que está passando por essa mudança, muitas pessoas de outras regiões nem conheciam.”
    Não devíamos perpetuar esse tipo de pensamento, que mesmo sem intenção, imagino, acabam discriminando uma região do pais, já que subentende-se que se fosse conhecido em outro lugar ou país, não seria considerado “pouco sofisticado.”

  16. maria jose a sampaio

    Então o inhame tem mais nutrientes que o cará?
    No Nordeste o uso do cará é mais constante, acho devido ao preço.

    .

  17. lita bartholomeu

    estou utilizando o inhame para o meu sistema imunológico que é baixo, tomo 1 copo de suco por 5 dias e paro, dou um intervalo para depois repetir o uso.
    A primeira vez fiz ele crú e tomei o suco, mas depois li que é melhor cozinhar primeiro e faço o suco , está correto?
    LITA- SP

  18. Marilene Oliveira Lima Fonseca

    Mto boa a explicação…gostei bastante. Como mto inhame e cará. Não tenho problema nenhum de saude. Nem mesmo uma gripe nem resfriado. O diabético pode comer?

  19. Vitória

    Vegetarianos não tem deficiência nenhuma devido a falta de carne. Sou vegetariana, em transição para o veganismo, e minha saúde nunca foi melhor. Não tenho anemia e falta de nenhum nutriente.

Deixe um comentário